quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Sobre balaços, atropelamentos e esfaqueados

Tenho uns poucos livros emprestados que jamais devolvi - uns quatro. Um me fascina: “War surgery”, do comitê internacional da Cruz Vermelha. Antonio Venturieri, cirurgião paraense que esteve no Afeganistão, emprestou-me, por saber do meu fascínio pelo tema. Nunca mais devolvi.
Dia desses folheava o calhamaço de 350 páginas para entender as armas de guerras e as lacerações que provocam nos órgãos internos de um guerrilheiro abatido. Porque os fuzis já não ecoam só na Síria. O estampido está nos morros cariocas e daqui a pouco zunirá pelo Jurunas, Guamá, Terra firme e aqui debaixo do prédio onde moro.
Outro dia, no maior hospital de trauma de nosso estado, um homem adentrou pela emergência, já gaspeando. Fora baleado por determinada facção do Jurunas. Ao exame físico havia uma brecha no rebordo torácico. Era arma de guerra. Aí já não é só zunido, é trovoada, fuzilamento.
No caminho de ida a Salinas, à frente da policia rodoviária federal, na Belém-Brasília, havia um carro totalmente danificado, guinchado a três metros do chão, encaixado no outdoor, numa arte plástica bem elaborada, com dizeres de alerta sobre o risco da imprudência nas rodovias - afinal de contas é verão por aqui, tempo de aproveitar as férias e meter o pé na estrada.
Pouco adiantou. A sinistralidade continua elevada e, se somarmos às motocicletas urbanas, a lista embaça o caos no trânsito. Na volta da viagem a arte já não existia. O carro já não estava. Talvez uma motocicleta fosse mais representativa.
E sobre esfaqueamentos? Arma em extinção!
Nos anos noventa, um artigo original mostrou, no PSM da catorze, que a principal causa de ferimentos no tronco era arma branca. Certa vez, numa micareta na atual João Paulo II, a ambulância socorrera três esfaqueados no mesmo carreto. Dois deles tinham ferimentos graves no coração, e outro, várias estocadas no abdome. Todos sobreviveram. Se as lesões cardíacas fossem por arma de fogo, certamente a chance de sobrevivência seria bem menor. Hoje, os tiros e as motocicletas ultrapassaram as armas brancas, inclusive no sertão da Paraíba, terra das peixeiras.
Surge, agora, uma série televisiva sobre violência, ao olhar esbugalhado da sala de emergência. Com narrativa romanceada ao modo de Tess Geratssen, Edyr Proença ou Rubem Fonseca, “Sob pressão” nada tem a ver com as series glamourosas americanas totalmente hi-tech, hi-fi ou wifi. Depois “Profissão repórter” faz abordagem epidérmica sobre as salas de emergências do Rio de Janeiro. Parece muito claro que a emissora direciona seu portfólio para uma página bruta da nossa sociedade, não só eviscerando as deficiências do atendimento e a alta taxa de homicídios, mas, acima de tudo, o cotidiano do cirurgião-mago que, noite adentro, além de tirar coelhos da cartola, reza por milagres de salvar vidas - ou pelo menos postergar a morte.
O fagocitado “War Surgery” deixa escorrer a idéia que a dor das guerras é maior que as estatísticas: Em certos conflitos, o fardo dos feridos de guerra é maior que as conseqüências de saúde pública. É aí que a série de TV se engancha, mas os números de nossa incivilidade sangram as finanças do Estado, cortam a carne e deixam poças de coágulos a escorrer pelas valas abertas desta cidade, entre as dez capitais mais violentas do país (mapa da violência, 2016). 

Artigo publicado originalmente em "O liberal", 03/08/2017

Nenhum comentário: