domingo, 24 de setembro de 2017

O general em sua caverna

Quem serve a uma revolução ara no mar...
Garcia Marquez, em: “O general em seu labirinto”

A colombiana Santa Marta fica na divisa com a Venezuela. Lá, Simon Bolívar, o libertador da América, encavernado numa tuberculose (TB) passou os últimos dias de vida. 
Toda esta historiografia está em “O general em seu labirinto”, de Gabriel Garcia Márquez, ressaltando que "El libertador" relutou em aceitar tratamento médico. Uma prova: ”o doente piorou ainda mais no fim de semana, por causa de um copo de leite de jumenta que tomou por sua conta e risco, escondido dos médicos.”
Ressalta-se que a cura médica da TB ainda não existia e o que se fazia era higiene pessoal, isolamento em área ventilada com janelões, particularmente em região montanhosa, além de repouso, conforme o cenário de Thomas Mann em “A montanha mágica”. 
Bolívar morreu em 1830, quando ainda se falava em miasmas e pneumas, cuja TB se chamava Tísica. O bacilo foi descoberto somente em 1882 e dez anos depois surgiram os primeiros tratamento efetivos - o cirúrgico-, destacando-se as desconjuntadas operações de toracoplastias, em que se desmantelava o tórax retirando-se várias costelas. Foi somente em 1946 que apareceu a primeira droga-alvo e a humanidade se livrou das mutilações cirúrgicas.
A casa onde o general passou os últimos dias era simples. O seu quarto de sobrado dava de frente para o mar. Tinha escarradeira, jarra dágua com toalha, cama e banheira. A velha casa da alfândega, que se vê hoje para visitação, tem parede amarela e dois quadros de pessoas que fizeram parte de seus últimos dias, entre eles, dr. Reverend, seu médico de cabeceira. Há lá, esculpido em mármore carrara, o mirrado corpo do general, para exposição e selfies.
Quem não puder chegar até Santa Marta, que faça uma passagem pelas muralhas de Cartagena das índias e visite a Ábaco – livros e café -, na Calle de la Mantilla. Foi o que fiz. Fuçei até achar, por acaso, os 33 boletins médicos do dr. Reverend, reunidos numa só apostila de 87 páginas, que retratam os últimos dias do general. Na necropsia ele descreve que suas pleuras estavam aderidas e seus pulmões endurecidos. O direito, quando espremido, purgava um manancial da cor vinhosa. Tradução médica: caverna tuberculosa.
O jovem médico tinha apenas 35 anos, havia chegado da França e tinha responsabilidade do tamanho da Nova-Granada. O doutor assumiu o caso após discussão com seus pares, que se cegavam à Tísica. Sem outros meios, o diagnóstico se fazia no olhar clínico e a confirmação era somente pós-morte. Bolívar tinha 47 de idade e muitas conquistas, mas dentro de sua humildade dizia que tais vitórias não cabiam numa banda de sapatos.
Após o enterro, outro general ofereceu ao médico, pela dedicação, o cargo de cirurgião-chefe do exército. Ele respondeu: “prefiro minha liberdade a todo emprego assalariado”. Ainda se negou a receber recompensa pecuniária. Disse que fez por admirá-lo. Ficou junto dele até o último arfo. Logo após, desapareceu. Ressurgiu em Paris, escrevendo tais relatos clínicos, em 1866.
Em 2010 os restos mortais de Bolívar, que se encontram no panteão nacional da Venezuela, foram exumados por determinação de Hugo Chávez, ao achar que havia conspiração e envenenamento, tal como ocorrera com Napoleão Bonaparte. A análise levou ao diagnóstico radicalmente diferente ao de Reverend, mas não confirmou a hipótese estilhaçada de Chávez.
Os ossos exumados foram devolvidos. O espírito do general, por destino, não demorou a recepcionar o de Chávez, mas é improvável que no labirinto cavernoso do subsolo do panteão, o déspota esteja maduro suficiente para entender que conquista se faz com passos e não rasgando um boletim médico, ou a própria constituição. 

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

A lição de Obama contra a ultradireita


O ex-presidente norteamericano Barack Obama ganhou ontem as manchetes dos jornais de todo o mundo após a repercussão de suas declarações sobre o conflito ocorrido na cidade de Charlottesville no último final de semana, que resultou na morte de uma mulher.

O vergonhoso evento foi patrocinado por grupos de extrema direita de supremacia branca, tais como:
Ku Klux Klan e organizações neo nazistas, que intensificam suas ações após o apoio político e financeiro ao candidato de ultradireita Donald Trump, –– filho –– de um notório membro da KKK.

A mensagem do ex-presidente americano mais popular das últimas quatro décadas, negro e de origem africana, acaba de tornar-se o tuíte mais curtido da história.

Publicado na noite do último sábado, 12/8, o post em questão de Obama no Twitter foi o primeiro de vários do ex-presidente dos EUA sobre os acontecimentos do final de semana na Virgínia.

Com mais de 3,6 milhões de curtidas, o tuíte utiliza uma citação atribuída ao ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela: “Ninguém nasce odiando outra pessoa por causa da cor sua pele, seu background ou sua religião” ("No one is born hating another person because of the color of his skin or his background or his religion...", no original, em inglês). E usa uma foto de Obama cumprimentando quatro crianças em uma janela.

Além disso, a mensagem em questão de Obama já possui quase 1,5 milhão de retuítes até o momento.

Para chegar a esse número recorde, o tuíte de Obama superou uma publicação feita há alguns meses pela cantora pop Ariana Grande logo após um ataque terrorista realizado durante um show seu em Manchester, na Inglaterra.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Sobre balaços, atropelamentos e esfaqueados

Tenho uns poucos livros emprestados que jamais devolvi - uns quatro. Um me fascina: “War surgery”, do comitê internacional da Cruz Vermelha. Antonio Venturieri, cirurgião paraense que esteve no Afeganistão, emprestou-me, por saber do meu fascínio pelo tema. Esqueci de devolver.
Dia desses folheava o calhamaço de 350 páginas para entender as armas de guerras e as lacerações que provocam nos órgãos internos de um guerrilheiro abatido. Porque os fuzis já não ecoam só na Síria. O estampido está nos morros cariocas e daqui a pouco zunirá pelos bairros do Jurunas, Guamá, Terra firme e aqui debaixo do prédio onde moro.
Outro dia, no maior hospital de trauma de nosso estado, um homem adentrou pela emergência, já gaspeando. Fora baleado por determinada facção do Jurunas. Ao exame físico havia uma brecha no rebordo torácico. Era arma de guerra. Aí já não é só zunido, é trovoada, fuzilamento.
No caminho de ida a Salinas, à frente da policia rodoviária federal, na Belém-Brasília, havia um carro totalmente danificado, guinchado a três metros do chão, encaixado no outdoor, numa arte plástica bem elaborada, com dizeres de alerta sobre o risco da imprudência nas rodovias - afinal de contas é verão por aqui pela amazônia, tempo de aproveitar as férias e meter o pé na estrada.
Pouco adiantou. A sinistralidade continua elevada e, se somarmos às motocicletas urbanas, a lista embaça o caos no trânsito. Na volta da viagem a arte já não existia. O carro já não estava. Quem sabe uma motocicleta fosse mais representativa.
E sobre esfaqueamentos? Arma em extinção!
Nos anos noventa, um artigo original mostrou, no HPSM, que a principal causa de ferimentos no tronco era arma branca. Certa vez, numa micareta na atual João Paulo II, a ambulância socorrera três esfaqueados no mesmo carreto. Dois deles tinham ferimentos graves no coração, e outro, várias estocadas no abdome. Todos sobreviveram. Se as lesões cardíacas fossem por arma de fogo, certamente a chance de vida seria bem menor. Hoje, os tiros e as motocicletas ultrapassaram as armas brancas, inclusive no sertão da Paraíba, terra das peixeiras.
Surge, agora, uma série televisiva sobre violência, ao olhar esbugalhado da sala de emergência. Com narrativa romanceada ao modo de Tess Geratssen, Edyr Proença ou Rubem Fonseca, “Sob pressão” nada tem a ver com as series glamourosas americanas totalmente hi-tech, hi-fi ou wifi. Depois “Profissão repórter” faz abordagem epidérmica sobre as salas de emergências do Rio de Janeiro. Parece muito claro que a emissora direciona seu portfólio para uma página bruta da nossa sociedade, não só eviscerando as deficiências do atendimento e a alta taxa de homicídios, mas, acima de tudo, o cotidiano do cirurgião-mago que, noite adentro, além de tirar coelhos da cartola, reza por milagres de salvar vidas - ou pelo menos postergar a morte.
O fagocitado “War Surgery” deixa escorrer a idéia que a dor das guerras é maior que as estatísticas: Em certos conflitos, o fardo dos feridos de guerra é maior que as conseqüências de saúde pública. É aí que a série de TV se engancha, mas os números de nossa incivilidade sangram as finanças do Estado, cortam a carne e deixam poças de coágulos a escorrer pelas valas abertas de nossas cidades, e Belém fica entre as dez capitais mais violentas do país (mapa da violência, 2016). 

Artigo publicado originalmente em "O liberal", 03/08/2017

sábado, 15 de julho de 2017

Os tentilhões da tuberculose

Darwin escreveu o roteiro da teoria da evolução das espécies num filme de longas eras passando em horas, e cada milênio reduzido a minutos. Os atores eram tentilhões e o diretor não era Spielberg, mas o próprio roteirista.
Tentilhões alimentavam-se de frutas até o crescimento galopante de sua população em Galápagos. Uma estação nefasta abateu-se sobre a ilha e o estoque de frutos escasseou. Em alguma parte do numeroso bando havia uma variante com bico rígido capaz de quebrar sementes. Enquanto a fome devastava o nicho, aquela variante sobrevivia alimentando-se de sementes duras. Ela se reproduziu, e começou a aparecer nova espécie mutante. A anomalia tornou-se norma e a norma buliu com a cabeça de Darwin. O roteiro de Galápagos ganhou outras esferas.
Aos tentilhões cabe um olhar espichado, por exemplo, para entender a resistência bacteriana. Os micróbios também sofreram alterações do meio-ambiente (leia-se antibióticos) e, tal como a estação nefasta em Galápagos, uma variante do grupo, com membrana celular especial, não permitiu que o antibiótico - ingerido de forma irregular ou em subdoses – penetrasse na bactéria, e passou a resistir àquela droga. A anomalia tornou-se norma e transmitiu à geração seguinte o gene da resistência.
Foi o que aconteceu com a penicilina. Ao longo dos anos surgiam cepas penicilino-resistentes que passaram a tomar conta das pneumonias. Por falta de orientação, conhecimento e programa de governo, Tetrex, Benzetacil, Sintomicetina e a Frademicina, marcas consagradas, eram tiradas das prateleiras das farmácias - e biroscas do interior - e injetadas na veia de quem tivesse um simples resfriado, ali, ao lado dos balcões. Por esse viés, as bactérias se tornaram fortes - e não as medicações fracas - e necessitou-se produzir novos antibióticos, até se chegar ao hoje.
Ante ao quadro monstruoso das infecções uma, em particular, volta a aterrorizar a pangeia: a tuberculose pulmonar (TB), retrato esquelético dos tentilhões de Darwin. Uma virada no tratamento da tuberculose, por conta de uma sociedade distante de informação, fez surgir bacilos resistentes, denominados TBMR, sendo a forma XDR resistente a todas as drogas. Como se não bastasse ser a principal causa de morte por infecção no mundo, a TB piorou com a AIDS, os guetos e a população carcerária. A OMS já prevê caos.
Do outro lado do atlântico, chama atenção a onda de europeização da TB, que passa pelo mediterrâneo albergada em pulmões de africanos e sírios, onde o programa de controle da doença é pífio e boa parte de imigrantes já chega com formas multirresistentes.
Na Mundurucus, o antigo sanatório segue em alerta para combater essa nova apocalipse, incluindo até o velho tratamento cirúrgico em versão mais moderna e segura. O programa só não vai mais adiante por falta de apoio para agregar a tecnologia do vídeo, alternativa que europeus começam a encenar.
É uma guerra sem fim, com novo capítulo. E não bastam tisiologistas e afins lutarem. É hora de tossir com estridor para que nossas baforadas alvejem as montanhas nebulosas do planalto central e possamos contaminar gestores. Do contrário, é rasgar o roteiro cinematográfico de Darwin e esquecer que os tentilhões representaram um laboratório a céu aberto, em que estamos tendo a ousadia de ignorar.


Artigo originalmente publicado em "O Liberal", em 15 de julho de 2017

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Da Vinci aporta em Belém

Roger Normando, professor de cirurgia torácica - UFPA
 O domingo começou ensolarado neste 11 de junho, quando o Da Vinci aportou em Belém para trazer boas novas aos Xamãs da floresta. Não, não falamos das cinzas de Leonardo da Vinci, artista e intelectual renascentista. Falamos, sim, do robô adquirido por um dos hospitais paraenses, para auxiliar cirurgiões na retirada de uma próstata tumoral.
Inicialmente pede-se vênia ao escritor Raimundo Sodré para tentar explicar todo este avanço tecnológico, sem que se veja como pavulagem: Calhou d’eu entender que este momento que vivemos, embora permeado de dramaticidades e extravagâncias, seja também de reviravoltas, de revoluções.
Antes desta tecnologia aportar em Belém a robótica já vive rotina. Na Califórnia, há 11 anos, com o cirurgião alocado em Seattle, o Da Vinci auxiliou numa operação complexa. Longe desta pompa inicial, atualmente se realizam operações com o cirurgião ao lado do paciente, sentado num console joystick, como se dirigisse um fórmula 1, com um segundo cirurgião no campo operatório. No Brasil, a nova plataforma foi usada em 2008 num procedimento urológico, em São Paulo.
A maior reviravolta está na cinesiologia, ao possibilitar maior amplitude de movimentos, se comparado à mão cirúrgica - além da visão em 3D. A grande crítica é o custo, além de maior tempo de aprendizagem, redução no espaço para os participantes e falta de sensação tátil, que deve ser reavaliada em futuras gerações de robôs. Além da urologia já há indicações para outros compartimentos: cirurgias cardiovascular, torácica, digestiva, ginecológica, oncológica e proctológica, entre tantas.
Na verdade, o que se viu naquela manhã foram braços robóticos, cujas articulações têm movimentos que tornam um grande aliado em operações cujos espaços são limitados, ou em que é necessário o detalhamento topográfico do órgão explorado. Os braços terminam numa espécie de pata que lembra a de um crustáceo, digamos assim, cujos movimentos superam aos da humana mão. Isto no campo visual limitado representa um ganho inimaginável.
Para se tornar um cirurgião-robô precisa-se de treinamento e certificação, tornando o programa seguro. Os cirurgiões paraenses desta epopéia fizeram treinamento em Bogotá, pois no Brasil ainda está sendo preparado um centro no Rio de Janeiro.
E os perigos? Isaac Asimov, que romanceou robôs desde 1957 antes de se tornarem hominídeos, afere: qualquer avanço tecnológico pode ser perigoso. O fogo era perigoso no princípio, assim como (até mais) a fala - e ambos ainda são perigosos nos dias de hoje -, mas os seres humanos não seriam humanos sem eles.
A pioneira operação com robô, no Norte do Brasil, neste domingo ensolarado, foi num sexagenário, com baixo risco de complicações relacionadas à impotência sexual e ao descontrole da micção, estas, as maiores contribuições desta tecnologia à cirurgia prostática. A operação terminou por volta do meio dia com uma tromba d`água bem paraense. Estariam os Xamãs da floresta emocionados ao perceberem a pajelança do Da Vinci entre seus habitantes, por isso mandaram lágrimas de euforia?  

Oxalá seja novo axioma e se possa aspirar, com uma simples cânula, as adversidades que porventura apareçam. Portanto, sigamos...

artigo originalmente publicado em O liberal, de 28/09/2017

domingo, 25 de junho de 2017

O pulo do grilo

“Este universo está cheio de histórias, não de átomos”
Muryel Ruckeyser, poeta estadunidense

Há 30 anos um disparo calou o rio Maratauíra, braço do Tocantins. No colo da mãe, o menino Leon foi levado às pressas para Abaetetuba, amparado nas remadas de um ribeirinho que passava por perto. Montaram na canoa e seguiram pelo resvaloso caminho das águas amazônicas.
-De onde vem todo este sangue? Perguntou o canoeiro, homem atarracado, com fortes traços indígenas, remando contra o vento, a correnteza e um enigma.
-Um tiro varou a cabeça do menino.
- Quê?
-Sim, um disparo feito pelo pai... acidental!
Um morno silêncio atravessou a goela daquele barqueiro.
-Não dá pra avexar? Gritou a mãe, desesperada.
-Estou fazendo força... Não tenho culpa.
Remou em silencio por mais de hora. Adiante a língua roçou:
-Este tiro foi acidental, mesmo? A mãe, cabisbaixa, ensanguentada, ficou sem voz. Apenas olhava o filho arfando, com estridor, sem esquecer de mais sete que ficaram no Guajará de Beja, o lugarejo.
Após quase três horas, chegaram ao hospital. Tinha a respiração opressa e logo entubaram para aliviar o estridor. Melhorou, mas ainda corria risco. Trataram de transferi-lo para Belém.
Vida salva ou morte adiada?
Após três meses, Leon teve alta e saiu de braços acorrentados com a mãe, carregando como lembrança, por mais de trinta anos, uma canuleta metálica no pescoço. Por ela respirava, mas sem a voz.  Cresceu e atingiu a idade adulta com aquela marca do passado. Diziam os médicos que ele tinha o goto fechado e jamais falaria.
Viveu 30 anos sonhando em mergulhar no Maratauíra, o rio de sua aldeia. Não saia de casa com medo de o barco afundar e entrar água nos pulmões. Viveu encarcerado pela sua história e rodeado de seus medos. Seu imaginário era regado a silêncio entremeado por silvo dos curiós, bocejo da floresta e zoada da chuva na folha do Paricá. Leon cresceu no trabalho pesado ao buscar fôlego para viver. Os músculos torneados eram de tanto subir de peconha no açaizeiro e de carregar, nos ombros, sacos de estopa com produtos da terra.
Após 30 anos voltou ao hospital para corrigir a sequela e refazer a respiração, a voz e a esperança. Quando adentrou ao consultório, com olhar desmantelado, Leon só desconfiava, mas estava disposto a enfrentar a cirurgia e realizar o sonho de mergulhar no rio.
Foi uma operação longa e trabalhosa, falaram os médicos. Quando se recuperou da anestesia e começou a sentir o ar pelas narinas, era como se a vida tivesse começado de revés e o relógio da parede do CTI seguisse no sentido anti-horário. Tudo lhe era estranho, inclusive o grunhido da voz e da respiração. Até hoje não sabemos se ele se negou a falar naqueles dias de internação, ou se desaprendeu.
Leon voltou à sua terra carregando a voz incrustada no assombro daquele estampido, para esquecer a metade de sua traqueia que ficou no expurgo.
A operação de mais de quatro horas foi ideia de Hermes Grillo (Boston) e Grif Pearson (Toronto), anos setenta. Grillo dissecou a causa (longo período entubado no CTI), mas foi Pearson o personagem, ao descobrir o pulo do gato – ou do grilo -, ao retirar o segmento de traqueia endurecido sem lesionar o nervo da voz, que passa rés à glote.

A partir da década de oitenta alguns brasileiros se destacaram e disseminaram a técnica, até chegar nas quebradas do Maratauíra. Os anos que levaram para sedimentar e disseminar a técnica foram os mesmos que Leon levou enclausurado às margens daquele barranco, esperando a vez da sua voz.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Entre tragédias e celebrações


O mês de junho é desses meses de uma profusão de festejos. Mês colorido. Bonito. Alegre. Cheio de peculiaridades gastronômicas e sonoras. Ah! É quadra junina. Pelo menos em parte do Brasil. Num Brasil que ainda celebra, mesmo diante de um governo não eleito e que samba bambo numa rejeição estonteante. Nunca antes... Bem, num Brasil que também reluz, dentre tantas desgraças, frente uma violência no campo e na cidade que são um terror. Índices belicosos. O Pará, por exemplo, ainda estarrecido numa polêmica com o que se demonstra, sim, uma chacina em Pau D´Arco. Abro parêntese: polêmica! Enquanto movimentos ligados aos direitos humanos marchavam indignados com tamanha barbárie que vitimou 10 camponeses, policiais distribuíam convites com a logomarca do Estado para uma caminhada em defesa dos que protagonizaram a matança. Isso tudo há menos de 2 semanas. A mesma capital do Pará escancara uma noite que se foi de mágica festa com o Baile do Mestre Cupijó, no centro da cidade, foi de banho de sangue no bairro da Condor, na periferia. Menos de 24 horas. Parece a dicotomia da chuva, em que uns a celebram e tantos outros amargam suas consequências. Não, não vivemos uma dicotomia, é só para ilustrar. E há quem diga que não existem milícias no Pará. "Tudo certo/como dois e dois são cinco". Oh, Antonico...

Estarrecida, escolho compartilhar um relato menos melancólico que o meu. Não menos indignado. É da amiga jornalista Brenda Taketa. E seguimos cada um com nossos processos de digestão.

"Acho que falta ligarem os pontos (do massacre no bairro da Condor na noite desta terça) com
1) a mobilização quase histérica da bancada da bala após a grande repercussão do massacre em Pau d' Arco e a federalização do caso, o que significa que não será simples botar panos quentes nos assassinatos como meros autos de resistência;

2) a tentativa de agressão ao presidente da comissão de direitos humanos da Assembleia Legislativa no começo da semana e o próprio descontrole psicológico do parlamentar agressor;

3) e a demonstração de força por parte da polícia militar desde o último final de semana na capital.

Afinal, qual foi o sentido dessa operação midiática, espetacular e aparentemente improvisada, que colocou tantas viaturas, helicópteros, policiais militares no centro da cidade? O governo quis melhorar a imagem pública no final de semana de passeata dos policiais em favor dos envolvidos com a chacina em Pau d' Arco? Ou já previa algum novo confronto associado às máfias do tráfico? Ou foi mera jogada de marketing e tentativa de diminuir a "sensação de insegurança" em parte dos seus eleitores?

Enfim, são fatos muitos recentes e contínuos pra gente considerar que não há relações. E o que parece em jogo é a consolidação de um Estado policial com feições cada dia mais totalitárias e nebulosas no Pará. Que os especialistas ajudem a entender as implicaçōes disso, porque são muitas as questões que se impõem a nós diante de tantas tragédias. Pensar ainda é resistência, questionemos."

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Ode ao Mestre Cupijó

 Mestre Cupijó entre suas memórias, na sua casa, em Cametá. Por Viviane Pinheiro

 De boné, Manoel Valente, meu camarada de grosso calibre, no mágico Bar do Gato.
Foto: Viviane Pinheiro

Posso dizer que a vida jornalística me permitiu algumas lindas incursões pelo interior do Pará. Uma das lembranças que tenho é de uma ida (dentre muitas) à charmosa Cametá, também conhecida como terra do mapará. O peixe. Sem alusões futebolísticas. #Payxão Aliás, incursões profissionais também me renderam boas relações pessoais, com gente maravilhosa, que feliz ou infelizmente, em sua maioria, ficou pelo caminho da vida.


Lembrei disso por ocasião de uma escuta, na Rádio Cultura FM, do grupo Baile do Mestre Cupijó. Que linda notícia a do projeto (em três vertentes) da cineasta Jorane Castro, sobrinha do mestre do sax e da cultura popular. E que belíssimo trabalho o dos músicos! A formação da banda vai permitir uma apresentação, amanhã à noite, em Belém, para gravação de documentário contemplado pelo programa Petrobras Cultural.

O release que vou reproduzir explica bem o projetão a que me refiro. Recomendo a leitura. Me atenho aqui a essas memórias tão bacanas que guardo com carinho. Eu produzia um jornal chamado docemente de Pássaro de Papel, sob a coordenação irretocável de João de Jesus Paes Loureiro. Era uma bracinho do trabalho dele com artistas da Universidade Federal do Pará (UFPA) nos nove campi, numa bela relação com profissionais iniciantes ou já tarimbados de diferentes linguagens. Quando a iniciativa foi para Cametá, tive a oportunidade de conhecer o torrencial Manoel Valente, artista e ativista que depois ingressou no curso de História. Ficamos amigos de pronto e hoje lamento ter perdido contato com ele.

Foi Manoel que me levou até a casa do Mestre Cupijó, nome mais do que representativo do Baixo Tocantins. O encontro teve sucesso na segunda tentativa. Já éramos três, porque se integrava a nossa barca a fotógrafa Viviane Pinheiro. Creio que ela esteja morando em Fortaleza. Foi uma grande parceira de aventuras.

A casa modesta do mestre era riquíssima de guardados culturais, saudades, prazeres, desejos. A entrevista foi uma conversa informal, entre discos, documentos, fotografias, jornais. Não estava muito afeito à máquina da Vivi, mas conversou que foi uma beleza. Inclusive citou que faria parte de um documentário feito por sua sobrinha um dia!

Depois de uma tarde ou manhã de conversa, acompanhamos o Mestre Cupijó em mais um dos seus habitats naturais. A banda sinfônica saiu à noite para uma homenagem não sei bem a qual santo ou santa. Eita que a cabeça está falhando! Era uma festa com direito a quermesse e tudo. Ele se integrou à banda obviamente de forma magistral, mas sem lugar de destaque ou qualquer pompa. Vestido simplesmente como todos os demais, ocupando um lugar nas fileiras da banda como os demais. Em seu indefectível chapéu de tecido. Um cortejo brilhante!

Há cinco anos do falecimento do Mestre Cupijó, espero muito, pero mucho!, poder ir ao baile e reviver estas emoções tão caras. E, quem sabe?, rever Manoel Valente.

Release
Mestre Cupijó terá obra regravada em DVD por músicos paraenses contemporâneos

Baile do Mestre Cupijó” será no dia 06/06, às 20h, no teatro Margarida Schivasappa, em Belém. Projeto faz parte de documentário da cineasta Jorane Castro, contemplado pelo Programa Petrobras Cultural.
 
Mestre Cupijó, natural de Cametá, incorporou o saxofone às sonoridades tradicionais de comunidades quilombolas do Baixo Tocantins - uma ousada combinação dos ritmos ancestrais com instrumentos de sopro. E foi justamente essa junção que o tornou conhecido por reinventar o Siriá. Falecido em 2012 e com sua obra pouco sistematizada, ele será homenageado no DVD “Baile do Mestre Cupijó”, a ser gravado no dia 6 de junho, às 20h, no Teatro Margarida Schivassapa (Centur), em Belém, com direção da cineasta Jorane Castro.

O show terá participação especial de Felipe Cordeiro, Dona Onete, Kim Marques, Lucas Estrela, Waldo Squash e mais 12 artistas de diferentes vertentes da música paraense, com direção musical de JP Cavalcante e produção musical de Daniel Serrão. O show não será uma forma de reinterpretá-lo, com rearranjos, mas a tentativa de apresentar siriás, banguês e mambos, sobretudo, conforme o próprio Mestre tocava e seu peculiar invencionismo sonoro. A gravação do DVD será uma forma do público descobrir o som das festas do Mestre Cupijó.

"Vi vários shows dele e a música que ele criou é muito contagiante. Tenho muito respeito pela obra que deixou como legado para a cultura e a música paraense. Era calado, reservado, conversava pouco, falava só o necessário. Não gostava de dar entrevista nem de falar sobre o que ele fazia, talvez por isso temos poucos registros de sua trajetória. Durante a pesquisa sobre o trabalho dele, não encontramos muito além dos discos gravados. Foi isso que me motivou a realizar o DVD e o documentário, para preencher esta lacuna”, comenta Jorane Castro.

Durante a jornada ao Baixo Tocantins, JP Cavalcante, diretor musical, pode compreender melhor a partir das conversas com pessoas próximas ao Mestre, o gosto de Cupijó e suas referências. Com isso, incluiu na banda para a gravação do DVD dois saxofones, um trompete e um trombone, além de um banjo - que não era tão comum em suas músicas, mas um desejo do próprio mestre. Daí ele convidou a banjista Renata Beckmann para tocar o instrumento. Para a voz, JP dividirá a função com Kleyton Silva, da banda Na Cuíra Pra Dançar.

“A conversa foi o início de tudo, para compreendermos a trajetória do Mestre Cupijó. Ele tocava sax e às vezes, mais de três músicos o acompanhavam, como o Mestre Gabriel, além do trompete, trombone, guitarra, baixo, bateria e percussão. O banjo existe em algumas músicas, mas não é dominante. Só não tinha mais porque o banjista não morava em Cametá e não poderia comparecer aos ensaios. Ele também tocava os Sambas de Cacete e siriás à sua maneira”, comenta.

Documentário
Contemplado pelo edital Programa Petrobras Cultural, o DVD integra o documentário longa-metragem Mestre Cupijó e seu Ritmo, que irá compor um retrato audiovisual de um dos mestres da música tradicional paraense: Joaquim Maria Dias de Castro, mais conhecido como Mestre Cupijó, que buscou inspiração em ritmos tradicionais de sua região para suas composições. O audiovisual, além do registro do processo de captura do show “Baile do Mestre Cupijó”, será composto também por imagens de arquivo, entrevistas do Mestre Cupijó e com seus parceiros musicais.

Como foi no Baixo Tocantins que ele constituiu sua obra, Jorane voltou junto com JP Cavalcante e Daniel Serrão ao município em que o Mestre Cupijó residia. A equipe coletou depoimentos de integrantes da sua antiga banda, o conjunto Azes do Ritmo, e de pessoas que eram muito próximas a ele. Este material foi usado para realizar a concepção do show e será utilizado como material para o documentário, com previsão de lançamento para o segundo semestre de 2017.

Além do registro, o produtor musical Daniel Serrão também está reescrevendo as partituras das composições de Mestre Cupijó, que foram perdidas ao longo do tempo. Mestre Cupijó e sua banda Azes do Ritmo costumavam animar os bailes da região do Tocantins até o sol raiar. Este projeto visa reproduzir este clima festivo, dos anos 1970 e 1980.

Serviço
Baile do Mestre Cupijó - Show de gravação do DVD
Data: 06/06, às 20h
Local: Teatro Margarida Schivasappa (Av. Gentil Bittencourt, 650, entre Tv. Quintino e Tv. Rui Barbosa - Nazaré)
Ingressos: R$ 20,00 e R$ 10,00 com meia entrada
Vendas antecipadas: Loja Ná Figueredo (Estação das Docas)
Informações: (91) 3229-1291

Motivos para ler Adriano

Não sei exatamente com o que eu ando brigando nos últimos meses, porque não tenho conseguido terminar de ler os livros que escolho. Vejamos: adoro biografias e resolvi experimentar “Getúlio”, de Lira Neto. Puf! Enfadonho, disperso...o oposto de “Chatô, O Rei do Brasil”, de Fernando Moraes, que li na década de 1990 pelo menos duas vezes. Maravilhoso. Descanso Getúlio e sigo para o argentino “Quien mato a Rosendo?”, do ótimo jornalista Rodolfo Walsh, morto pela ditadura em 1977 depois de sua carta aos militares. Mas também não consegui avançar. Inconformada já.

Espero que a enfermidade não seja grave, porque tenho ótimos motivos para me debruçar sobre “Ato Paixão Segundo o Gruta”, de Adriano Barroso, um cara que tem uma linda trajetória artística. Ator, diretor, dramaturgo e roteirista.

Vou me permitir uma lembrança de meus tempos de foca (jargão jornalístico para enquadrar os iniciantes na carreira). Em 1995 eu comecei a tatear minhas primeiras aventuras na redação do jornal Diário do Pará e foi lá que conheci o Adriano; a entrevista era sobre uma peça que entraria em cartaz. Agora não lembro qual. Eles já tinham chão enquanto eu conciliava estudo e aprendizado prático. Tinham chão desde 1967. Uau!

O “Ato” acabou de ser lançado e se propõe a contar justo a história dos 50 anos do Grupo Gruta de Teatro. Resistência pura! O trabalho mais recente que vi deles foi Aldeotas. Obra interpretada de forma magistral pelo próprio Adriano Barroso e o não menos luxuoso Ailson Braga. Aliás, sempre um prazer a companhia dele nas andanças pela cidade, especialmente à noite.

Viver de arte é um desafio em qualquer lugar do Brasil, ao menos para a maioria dos protagonistas. E fazer teatro em Belém é um desafio de enormíssimas proporções. Outra boa razão para que eu pare de brigar com o que quer que seja e devore “Ato”.

A obra pode ser adquirida na livraria da Fox Vídeo, onde adquiri o meu e o da amiga querida Elis de Miranda na sexta-feira de autógrafos. Só tenho a desejar vida longa ao Gruta e boa sorte ao Adriano com essa sua nova cria.

domingo, 23 de abril de 2017

Ode ao Brecht

Não, não digo deste último 22 de abril - aniversário do Brasil. Este, não sei por que, rebocou-me à infância entre rios e barrancos do Acre e Rondônia. 

Lá, no grupo escolar, comemorávamos: cantávamos parabéns,  apagávamos velas e tinha bolo de milho. Este vinte e dois me pareceu mais um sábado-de-cinza que empalidece coração, entoca sopro nos pulmões e deixa esquina sem pé-de-flor.

Meu Brasil, alado, não voou, apenas esvoaçaram penas e descargas de melenas no ventilador de teto.

De tal modo, eu era sedento por ideias e o meu quase nada de outrora 
já me tornava um escrevinhador de sombras alheias num país de interiores gigantes, como os da minha infância.

Eu, amuado, tornando difícil escrever linhas, vi que os últimos jatos de tinta foram lavados e minha alegria foi desatarrachada do papel, da tecla e do país onde moro.

E agora, Berthold Brecht? o que será de minha práxis, desta ode e deste ódio? Restaram-me alergia e uns três espirros... 


Enquanto seu lobo não vem sigo os talhos circum-retos da ciência,  pois as linhas curvas da escrevinhação viraram cama dura, de cimento úmido, com lápis sem grafite a me destornar a felicidade do menino feliz quando acordava do ressentimento de ser gente só para desenhar a alma do país.



sábado, 11 de março de 2017

Namoro de portão

Um belo dia saí sem preocupação, 
sozinho, 
com três a quatro peças de roupa 
- não lembro bem. 

Embriagado de liberdade, 
tracei meu rumo, 
com exatidão, 
no indefinido sem olhar pra trás. 
Minha atenção foi sequestrada 
pelos raios de sol 
que pulavam à minha frente feito criança. 
Ali eram seis e o pouco da tarde 
que faltava 
me seduzia e mudava meu rumo; 
parecia querer me namoriscar à beira mar. 

Lentamente me aproximava, 
e comigo, a noite. 
Quanto mais o tempo passava, 
menos olhava o relógio, 
precisava valorizar muito 
aquele “namoro de portão", 
mostrei a ela 
que era peculiar e, 
até hoje, 
ela me mostra suas peculiaridades 
todo dia 
antes de mergulhar 
de volta ao mar.

Danilo Normando

quinta-feira, 2 de março de 2017

Minha mãe chorava – ainda

Gosto de lembrar dos momentos em que nos divertíamos, eu e minha mãe. Seu sorriso me fazia bem (menos as gargalhadas, que às vezes pareciam altas demais e eu tinha vergonha quando todos olhavam à volta). Eu me sentia leve e segura, mas se me detivesse só um pouquinho no seu rosto, bastavam alguns instantes...pronto, ali estava o seu choro, nítido e cristalino. Era como um membro do seu corpo: estava com ela em qualquer circunstância.

Certa vez, intrigada com essa mãe que tanto chorava, comecei a me perguntar se o choro não era dos meus olhos, se não estavam em mim tantas lágrimas. Esse diálogo meu comigo era sério, perdurava, se desdobrava. Eu não conseguia me conformar com uma mãe que chorava tanto, mas tampouco entendia o que poderia me levar a construir uma imagem tão triste de minha mãe dentro de mim mesma. Será mesmo que então eu desejava isso? Viraria outro imbróglio.

Eu ruminava esta mãe, não qualquer mãe, a minha mãe que chorava. Era como se eu sempre estivesse olhando pra ela debaixo pra cima, me aproximando entre nossos silêncios pra segurar sua mão e observar a reação da sua face. Cumplicidade e cuidado. Me sentia miúda e minha mãe parecia saber disso. Ela se mantinha calada e ainda chorava.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Cena de catedral



A cena é de dois cirurgiões maduros - em cada lado - iniciando jornada. Enquanto se curvam silenciosamente ao destino, há no centro um mais jovem enveredando-se pelos estridores da especialidade. Ele justapõe as mãos, entrelaça os dedos enluvados e ora antes de chegar seu primeiro momento. Cirurgiões rezam desde quando alcançaram o mundo; os de fé têm os joelhos doídos...

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Minha mãe chorava

Minha mãe chorava. Lembro disso com um silêncio profundo no meu peito. Não era um choro qualquer. Afinal, todo mundo chora. Eu também choro. Mas minha mãe chorava um choro doído. Um choro corrente. Fundo. Um choro que eu nunca entendi. Eu olhava minha mãe apenas. Não sabia o que perguntar ou dizer. Lembro que certa vez ela estava na cadeira do escritório, com os joelhos encolhidos no peito, sabe? Eu estava na cama, logo ao lado da mesinha, brincando com o celular. Eu disfarçava pra olhar pra ela, porque ela chorava, derramava lágrimas sem dar nenhum piu; só se ouvia o som do nariz feito chupar cana com discrição. Estava abraçada às pernas e olhava pela janela. Era uma imagem que me perseguia, esta.

Cresci e entendi muitos motivos mais para chorar na vida. Mas minha mãe, ah, minha mãe seguia com aquele choro longo. O choro dela se demorava nela, parecia que se demorava mesmo quando ela não derramava lágrimas. O que passava com minha mãe? O que passava pelo coração dela? O que passava pela cabeça dela? Eu nunca perguntei. Eu só sentia vontade de estar perto. E a distância me afligia.

Lavar pratos. Fazer comida. Transitar de um lado a outro da cidade. Deitar para dormir ou para ler um livro. Coisas cotidianas que não pareciam dar motivos para minha mãe chorar. Mas ela chorava. Eu via. De soslaio. Não queria atrapalhar talvez...talvez não quisesse levar alguma bronca, sei lá. As lágrimas escorriam e seu cenho era triste. Eu ajudava minha mãe nas pequenas tarefas cotidianas. Gostava de cozinhar, de lavar pratos, de limpar a casa...mas não gostava de ver minha mãe chorar. Era uma incógnita sombria pra mim.

Depois que minha mãe se foi, eu lembro dela feliz e de muitos momentos alegres que passamos juntas. Mas do que mais me lembro é que minha mãe chorava. Essa imagem está marcada em mim.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

A outra margem do rio

       Vejamos, uma pessoa pode chegar à nascente do rio, 
andando pela margem, não é?
José Saramago, em: "Democracia e Universidade"

        A gente se põe a ler uns e outros e acaba se entregando às ideias. Tum-tum-tum no coração, aí uma idéia puxa outra e tudo vai bater no olho d'água, donde a vida principia. Foi dia desses que me pus a ler "Democracia e Universidade", de José Saramago e acabei me entregando ao pensador e suas ideias sobre a nascente de um rio. Foi uma verdadeira saramagia nos meus glóbulos brancos - mais ainda por saber que Saramago jamais passou pelos portões de uma universidade e mesmo assim se tornou Nobel.
       Pra quem já passou por uma universidade, costuma-se aferir que é a página mais marcante da vida profissional. E para quem se tornou um escritor sem a sombra dos muros da academia, como Saramago, como então olhar criticamente para o interior da universidade? Eis a grande mensagem do livro (EDUFPA, 2O13), uma coletânea de discursos em salas universitárias por onde rodou.
        Durante a escavação da leitura, depara-se com a seguinte passagem subterrânea: "A universidade, na minha opinião, deveria reivindicar algo mais que aquilo que objetivamente, lhe é próprio: a qualidade do ensino a partir da nascente do rio". Parei. Lembrei-me do Diogo Pinheiro, um ribeirinho que conheci ainda criança. Diogo mora no Tucumanduba, às margens de um pequeno rio da grande bacia amazônica, que vai dar no Tocantins. 
      Filho e neto de ribeirinhos, a mãe pôs-se a ser professora de ensino público e o pai, apanhador de açaí e pequeno pescador de anzol e matapi, assim como o avô Bené. Até hoje, com mais de 70, Bené escala um açaizeiro como menino de 15. Diogo foi sustentado pelo rio e floresta, e sua mãe o amamentou com a leitura. Assim Diogo chegou à adolescência e, hoje, aos 16 anos, é um leitor contumaz.
      No Tucumanduba percebia-se que Diogo, desde menino, sempre esteve atado a um livro. Lia de tudo: literatura clássica e o que lhe dessem de presente. Confessa a mãe que ele tem paixão - mesmo, mesmo - é por Clarice Lispector; só largava Clarice quando a noite chegava, pois o lugarejo não dispunha de luz elétrica. O pai, homem reservado, falava da satisfação. Foi quando certa manhã, alguém sacou uma foto no momento de interação entre leitura e aquela paisagem bucólica, com trapiches e o rio logo ao fundo. 
     Certa vez, um casal de pesquisadores finlandeses foi visitar o lugarejo e viu aquele menino contemplando um livro. Deram-lhe uns dinheiros para ajudar nos estudos e aquele regalo ajudou Diogo a conquistar a aprovação em primeiro lugar para o curso de direito - Universidade Federal do Pará.               
      Diogo estudou numa pequena escola pública da periferia de Abaetetuba, a cidade mais próxima. O pai está eufórico e a mãe radiante, pois, pela beira de um rio, andaram na contracorrente do que se apregoa como caminhada linear para se chegar à universidade. Ou seja, estava de um lado da margem, enquanto avistavam o movimento da sociedade do outro, até alcançarem os próprios sonhos na vez do filho. Vô Bené chama isso de cuíra.
            Em “Democracia e Universidade”, Saramago dá voz a Diogo, que o Estado insiste em ignorar. Essa voz ecoa da nascente do rio - o umbigo da formação universitária. Então, quando Diogo puser os pés naquela universidade, que fica à margem de outro rio - mais largo, até -, certamente estará muito mais contribuindo para a universalização da academia, do que a academia para seu universo, afinal o tapuio leva na mochila o olho d'água do veio da vida.

sábado, 7 de janeiro de 2017

Fogo cruzado

"O horror bestial dos presídios, dominados por facções criminosas, 
choca o mundo e impõe desafios enormes ao governo e à sociedade"
Revista Veja, em 11 janeiro de 2017.

      A gente tenta não escrever sobre a violência, pra não ficar escravo do tema, mas eis que a televisão, os jornais, a conversa com o vizinho e aquele filminho no zap da carnificina de Manaus e Boa Vista destripando um tórax, vem e atingem o fígado e catapulta qualquer Quintana que porventura tente alcançar minha veia Porta.
A barbárie de Manaus leva-nos a refletir sobre os caminhos que tomamos pelas principais artérias da cidade-irmã, Belém, quando passamos pelas diagonais, transversais e vielas, até aportar em nossos destinos. Tremulamos debaixo dos semáforos em vermelho e ficamos catando estilhaços daquela imagética carcerária em nosso imaginário sob o medo de sermos aparados por uma bala no pescoço, por conta de desavença entre duas facções que brigam pela geografia do tráfico. Como não existe muro, nem área de demarcada, tem-se a sensação que, por uma dessas diagonais um cartucho possa se desprender de um cano de revólver e atingir minha carótida e todos os meus quase seis litros de sangue vaze para debaixo do tapete (do carro e depois da grama do cemitério) e se torne um drama desmesurado (O sinal se mantém vermelho; a zona é vermelha).
Não existe um muro a prova de bala que separe esses dois mundos e a gente possa escolher ficar no lado quieto, por isso essa “nóia” não me sai da cabeça e acaba me apequenando diante do terror. Estamos inseguros quando andamos na rua e sinto-me um vira-lata que levou um chute no traseiro, que ainda tem que cuidar do lixo nosso de cada dia, sem direito ao rosno.
Numa manhã de domingo, em uma das enfermarias do principal Hospital de Trauma da cidade estavam, acamados, um policial e um meliante. Um de frente pro outro, na mesma enfermaria, separado por um metro de paz. Junto com os estudantes, na hora da visita, passamos entre eles, ou seja, no meio do fogo cruzado - virtual que fosse. Expliquei o fator social de ambos e todos ficaram com os olhos esbugalhados. 
O baleado no tórax é suspeito porque tatuou na perna esquerda a figura de um palhaço, código dos que matam policiais. Com medo, ao lado de sua mãe, ele não tirava o lençol da perna pra tomar banho e nem abria o olho para ser examinado, simulando sono eterno, com receio de ser identificado. O policial, por sua vez, tinha levado um tiro no lobo frontal e apresentava um comportamento doentio para um paciente hospitalizado: a euforia. Todas as vezes que entramos na enfermaria ele nos saúda com um estrondoso bom dia e nos sapeca toda sua fanfarronice pela felicidade de ter sobrevivido após tiro no crânio.
Nós, ali no meio, no meio do redemoinho, representamos todo esse belicoso detalhe da vida social que estamos exposto e, sem deixar de nos atormentar pela purga espiritual, empunhamos a ordem do dia.
Foi quando o sinal abriu e peguei o beco; alteei o som do carro para ouvir o saxofone de Coleman Hawkins, Charlie Parker e Lester Young, deixando a voz de Sarah Vaughan se liquefazer e adentrar pelos poros e até bater aqui no meu lobo frontal e fazer com que aquela bala tome o rumo do inferno e eu recupere minha euforia.

domingo, 1 de janeiro de 2017

A arte feita de resvalos

Era dezembro/2016 quando, a convite, fui ao Teatro experimental Waldemar Henrique assistir à Ladainhas Marajoaras, com Juçara Abe & Rafael Lima. Seguinte, os dizeres: “A cantora Juçara Abe mostrará nesta quarta-feira, no teatro Waldemar Henrique, o resultado do projeto ‘Nossas ladainhas’, aprovado pelo edital SEIVA de pesquisa em música. O projeto consiste em uma pesquisa sobre os rituais musicais típicos do Marajó, conhecidos como ‘Ladainhas’ e foi idealizado pelo seu pai, o músico Rafael Lima, que foi vítima de uma doença grave no pulmão, em setembro deste ano, e, por ter a voz comprometida no período de recuperação, não será o cantor principal, apesar de também estar presente no palco, acompanhando a filha. A apresentação também contará com o baixista MG Calibre, o percussionista Zé Macedo e sonorização de Fernando Dacko.”
Fiquei preso ao visgo desta “tal” pesquisa. Cabe esta palavra num evento musical? Não só cabe, como eu tive uma aula de metodologia, ainda que caminhe diariamente com as ideias de Descartes. Inicialmente teria que responder: Qual o campo da pesquisa? No caso, a música, a ilha do Marajó.
Ao término da apresentação fui parabenizar os artistas, afinal não é fácil cantar ladainhas e folias pra mais de hora e meia, pois estamos desacostumados, por descultuação. Mais: Rafael Lima parece recuperado de seu pulmão despedaçado por uma “sepse braba” que o acometeu e quase leva o farelo, como ele mesmo admitiu, em meio às palmas.
A música, e qualquer outra forma do verbo, não deve jamais deixar de buscar sua origem seminal. O que Lima fez foi rebuscar nosso sêmen verbal guardado nas ladainhas. Se rebuscou, então gerou pesquisa de campo. O maior produto que se viu, no bojo, foi o regresso ao status embrionário da condição abandonada do idioma musical. Dito de outro modo, o pesquisador traduziu o nosso passado num ritual que se assemelha ao vivido pelo autor nas aragens do Marajó, onde existe, ainda muito viva, a festa de São Sebastião com suas cantorias em forma de ladainhas. Aqueles artistas quebraram a casca do tempo e nos transportaram para dentro do ovo, chocado pelos Jesuítas, os que partejaram essa cultura européia entre os marajoaras.
Na volta pra casa, eu julgava o contra-ponto desta pesquisa, o novo, que castra a condição comum e universal de recriar nossos valores culturais do passado. Os critérios atuais de domínio acabam desvalorizando nossa raiz em nome do lucro indômito. Percebe-se nesse sentido, que a arte, incluso todas as formas de expressão oral e escrita, despiu-se da dimensão poética e não mais carrega tanto onirismo sobre esse mundo diferente. É aí que a pesquisa fumega, pois o produto se desata dos códigos atuais, ao exalar incenso bem além do nosso retiro espiritual. 
Perguntei pra Juçara, por que seu pai tanto se dedicara a uma pesquisa daquele tipo. Respondeu de supetão: “Meu pai é um tipo de artista único, e como a maioria dos singulares, controverso [...]. O caminho dele é muito corajoso, e muitas vezes incerto [resvaloso, diria Guimarães Rosa]... Mas a coragem e a incerteza são os maiores combustíveis para a riqueza de sua obra”. Esta resposta me pôs de volta ao laboratório de pesquisa básica, pra ficar olhando pra capa do livro de Reneè Descartes. 
Apesar do cotidiano ter tantas trilhas, como esta que nos leva ao Marajó, sabemos que muitos pesquisadores andam só, mesmo se dispondo de tanta via de comunicação. Ademais, é dramática a solidão de escrever roteiro para poucos e lutar, mesmo entrincheirado, para manter vivos os idiomas em risco de extinção. Rafael é todo este-um, sem lhe faltar voz e pulmão.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

A casa é sua

A casa é sua! Sorriu malemolente pra ela por detrás do balcão apertado. A calçada era a casa. Quase em frente ao sambódromo. Fumegava o churrasco improvisado em cima de uma grade de cerveja. Está servida? Esticou a bandeja florida de carnes. Muito obrigada. Vou aqui com o Chico; ele esqueceu de mim. Já era a segunda. Não quer vir pra cá conosco? Claro! Ana, você vai ensinar minha filha a sambar como você? Uhum. Olhar desconfiado, pé indócil. Ô, Marisa Monte, puxa uma! Aquele salame feito extintor no bolso traseiro da calça jeans era o melhor convite. Bezerra da Silva. Martinho da Vila. Batuque no casco térmico da cerveja. A festa seguia. Ó, a capoeira! Agora balé. Personagens da noite na calçada de um boteco sem placa ou nome. A máquina parecia dessas de jogo. À base de fichas. Musicava o ambiente difuso. Assédio. Machismo. A noite bonita também era feia. Ladeira acima. Ladeira abaixo. Blocos de sujo esquentam. Mais uma noite cai. Mais um dia se levanta. A casa era outra. Albergou por poucos ansiados dias. De saída, soava a banda militar. Ah, não! Nostálgico e ridículo. Será uma saudação? Riso íntimo. O caminho por vir era longo. “Nem o prego aguenta mais o peso desse relógio”.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Alepo: misericórdia

De repente Sabá de abadia me vem com essa flecha de jambu, a mirar o marco zero da comunicação e fazer tremer a língua: “O domínio paulatino da linguagem colocou ordem no verdadeiro caos que eram as sinapses cerebrais dos primeiros hominídeos. A linguagem colocava ordem no pensamento. Pensamento domado inicia-se a jornada da auto-expressão humana. Das pinturas rupestres para a escrita de "No início era o verbo..." transcorreram milhares e milhares de anos. Uma lenta construção, como se vê. Hoje, estamos a nos esculpir por meios tantos, mas a palavra, oral ou escrita, segue nos fazendo, nos guiando, nos desvelando. Evocando a figura emblemática do profeta das gentilezas, que palavra melhor nos define? Ou ainda: nos desafia, inquieta, atordoa, ecoa, surpreende?" Mais adiante, Dora Schinitman retrata que a função primária da linguagem é a construção de mundos humanos. Labareda traduziu: “A linguagem emana construção de manos mais humanos", com palavras deliciosamente surrupiada de Joãozinho Gomes em “Ao mano humano”, parceria com Zé Miguel.
Mas, se existe uma linguagem que desafia a ferro e fogo o humanismo de Schinitman é a da guerra, sem misericórdia, que deixa Alepo em carne viva e com os nervos expostos. A libertação de Alepo veio - se é que veio – no galope de tanques de guerra, sob suspiros de uma primavera árabe, em meio a coices de metralhadoras a cuspir sangue arterial pelas esquinas e se misturar às poeiras de seus escombros até se fazer sarapatel, e escorrer pelas valas abertas da Síria.
Alepo, foi (ou ainda é) o campo de concentração que não vivi, e só li nas apostilas da segunda guerra. Não falo aqui, do leste da cidade, do norte do país, da rosa dos ventos oestes. Falo, sim, da geografia humana sul-real a deixar Dali estupefato e fazer tremer o bigode.
A dor escarrada nas lentes televisivas e no rosto das crianças mudas mudam minha verve suburbana. Parto aos espasmos para tentar me envolver num pensamento mais universal do holocausto, ao ouvir o estouro do canhão apontando para o céu na tentativa de balear deuses. Quando não se vingam, as bala perdidas voltam e acertam a fossa posterior dos cérebros inocentes ou o peito de uma criança. Assim se faz a linguagem, oral ou escrita, dessa guerra.
Alepo é o mais rugoso destroço desse miserável conflito, a preço de uma celestialidade questionável. O tema é tão frio que me causa dor na espinha e colapso em meus alvéolos pulmonares. Falta ar. Falta tripa. Falta entender. Só me sobram tetanias na alma e o coração a fibrilar. Há dor em Alepo, como há em qualquer guerra onde se vê crianças e inocentes a cristalizar o cerebelo na ideia de divagar a esmo, em marcha ebriosa que faz o Oriente caminhar entre fronteiras. As lágrimas das mães escorrem no rosto sujo dos escombros, deixando a impressão de que um rio de dor passa por ali, e são insuficientes para lavar a alma desses espartanos.
Os valores do fundamentalismo e o caráter barulhento dessa ideologia lembram folhas de zinco entregue às chuvaradas de inverno caindo no teto de de minha casa de infância de calmaria - perturbam minha verve.
Dá até para limpar as lágrimas, mas regressar à normalidade da segunda-feira é bem mais difícil, pois somos sentimentos disfarçados e imiscuídos em palavras algemadas àquele aldeão, conforme retrata Corisco: "A paz é um tropeço, um acidente, um soluço da guerra [...] Apenas um hiato entre o sonho e o fato".

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Aos meus amigos que entendem de Astrologia

Por Walfredo Júnior

As pessoas que entendem de astrologia sempre são as mais legais (Olavo de Carvalho é exceção). Eu percebo o quanto evoluí como ser humano justamente constatando quantas dessas pessoas que sabem qual é a sua lua são hoje próximas a mim. Eu mesmo nunca lembro de perguntar pra minha mãe que horas eu nasci.

Certo dia uma amiga me disse que estava viajando pra fazer sua revolução solar. Fiquei surpreso de saber que existe a prática de se passar a noite do seu aniversário no lugar da terra pra onde aponta um certo alinhamento de astros - meu irmão vai todo ano exatamente pra onde a astróloga diz, me contou. Uma pessoa mais chata que eu perguntaria: Mas e se o alinhamento apontar bem pro meio do oceano, uma vez que há mais água que terra no mundo? - pura implicância dessa gente sem o sal dos "mistérios" na sua vida. Imagina se tudo tivesse explicação?

Não que o cálculo e a lógica sejam estranhas ao estudo do zodíaco. Os meus amigos que são capazes de fazer mapas astrais têm todas as repostas para as incongruências (admito que são pouquíssimas) entre as características gerais dos piscianos e meu próprio temperamento. O problema é o seu Vênus, diriam alguns.

Mas no final as similitudes entre o escrito nas estrelas e a minha auto imagem são mais impressionantes do que as engenhosas explicações para as diferenças. Pelo o que entendi de tudo que já vi sobre o signo de peixes (superficialmente), somos, bem resumidamente, uns avoados, uns lesados. Eu purinho.

Meus amigos astrólogos amadores ou simplesmente entusiastas dos mistérios do cosmo, peço-lhes perdão pela forma tosca de abordar vossa arte-ciência, sem nem sequer realizar qualquer pesquisa prévia, o que de certo deve já ter produzido até aqui toda sorte de imprecisão conceitual e terminológica. Não quis diminuir minha ignorância, justamente para demonstrar a questão da perspectiva do não iniciado, até certo ponto cético, mas que se impressiona com certos fenômenos que parecem ter mais sentido sob a influência dos astros. Dessa forma eu me abstenho aqui de estudar o assunto e lanço a pergunta a todos vocês amigos neófitos e mestres do estudo dos signos, ansiando de fato ler suas teses em resposta:

O Inferno Astral, essa conjugação de alinhamentos totalmente desfavorável à sorte do indivíduo, pode ocorrer também para as coletividades, a saber, nações, continentes ou mesmo o planeta inteiro?
Porque, ainda que todas as crises econômicas se expliquem à luz da teoria dos ciclos e as crises políticas também tenham as suas próprias teorias de ciclos, o ano de 2016 teve especificidades tão miseráveis que ora vejamos:

Comecemos nas terras de Shakespeare. James Cameron, primeiro ministro de Sua Majestade, resolve fazer um plebiscito pró forma, só pra constar, com um dilema que até se julgava falso pelos de fora. Reino Unido deve ficar ou não na União Europeia? Nem se falava nada a respeito nos jornais de cá, porque se considerava uma barbada. Pow, primeiro ministro foi atrás de lã e voltou tosqueado, e mais uma pra conta da ultra direita.

Enquanto os americanos se deliciavam rindo dos seus amigos ingleses, dizendo "que burros!", a campanha mais vagabunda da história recente das eleições americanas se desenrolava, trazida abaixo até a lama pelo conteúdo e método da candidatura do businessman Donald Trump, o qual a mera indicação no partido republicano já tinha tom de piada surreal. Mas no desenrolar da campanha parecia tudo só um sonho ruim mesmo, Trump não dava uma dentro e as pesquisas já tinham dado ele como perdedor, aí vieram as eleições e Pow! Vez dos ingleses rirem dizendo "que burros!".

Na América do Sul a bagunça de sempre, mas 2016 teve essa marca de quando algo tinha chance de dar certo, ou pelo menos não dar tão errado, as más notícias continuarem jorrando. Como o plebiscito na Colômbia pelo acordo de paz entre o governo e as Farc. Esse era um "sim" fácil, certo? Nada disso, o povo votou contra o acordo.

Pode ser injusto culpar os pobres astros nos exemplos acima, todos casos de escolha popular contradizendo o senso comum. Talvez a verdade é que o senso que não é tão comum agora e coisas como a Declaração Universal dos Direitos Humanos já estejam demodê.

Mas, se a coincidência de o mesmo ano abarcar tudo isso seja mesmo a vigência de um inferno astral, o Brasil deve estar no último círculo infernal. No início do ano, o golpe parecia mais uma dessas improbabilidades, se bem que no Brasil nada nos choca mais. Bom, não estavam de brincadeira. Mas se um impeachment tosco, era algo difícil de acreditar, o que veio a seguir foi totalmente dentro do esperado do governo que se formou. Um geiser de más notícias. Os desmandos, ilegalidades, medidas anti sociais e de lesa pátria mesmo foram tantas que foi difícil de acompanhar. Os golpistas tiveram pressa como se estivessem sob açoite.

Mas deixando de lado a mão que estala o chicote, o que acaba dando força à tese do inferno astral é a sobreposição de circunstâncias nas desgraças. Porque aviões caem, é raro mas acontece, infelizmente. E já ocorreu de aviões caírem com times de futebol inteiros. Mas um acidente aéreo com um time pequeno que viveu sua epopeia para pegar o voo mais importante da história do clube, a viajem para a disputa da final de seu primeiro título internacional, o orgulho de uma nação ansiosa pelo refrigério que essa possível vitória traria ao seu cotidiano tão combalido foi algo inaudito. O desastre da Chapecoense causou-nos esta vontade coletiva de ir dormir e só acordar em 2017.

Se formos continuar nessa linha, o texto ficará insuportável de tanta tristeza que há para contar sobre este ano estranho.

A nossa contagem de tempo é baseada na revolução dos astros e talvez esse movimento encerre e inicie ciclos na sorte dos povos como na dos indivíduos. Deixo aos meus amigos astrólogos a tarefa das previsões, mas, ainda que haja o inevitável e o fatídico, que estejamos sujeitos ao magnetismo celeste para guiar nosso ânimo e nossa sorte, espero que a ilusão do livre arbítrio nos leve a aprender com 2016 e, no nosso anseio por um ano melhor, façamos cada um de nós coisas bonitas e valorosas o mais que possamos e que o conjunto das nossas realizações entrelaçadas possa tecer um verdadeiramente feliz ano novo.